Na pandemia, CBCD alerta para proteção da equipe em casos de abdome agudo

Os pacientes infectados pelo novo Coronavírus apresentam, geralmente, doença respiratória. Contudo, até 40% deles apresentam sintomas gastrointestinais relatados, incluindo diarreia, vômito e dor abdominal durante o curso da doença. Isso ocorre em razão do tropismo do Covid-19 pelo trato gastrointestinal, que já foi demonstrado através da detecção positiva do RNA Viral nas fezes dos pacientes com SARS-COV-2. Além dos sintomas gastrointestinais, os pacientes com Covid-19 podem apresentar também acometimento hepático, com alterações das provas de função hepática, que apresentam uma correlação com a gravidade da infecção em curso.

Os médicos cirurgiões do aparelho digestivo devem, portanto, estar atentos na avaliação das condições gastrointestinais neste período de pandemia da Covid-19. Especialmente porque os sintomas gastrointestinais podem começar antes do início da febre, assim como podem estar associados aos sintomas respiratórios específicos.

A propedêutica e as indicações cirúrgicas das afecções abdominais agudas são as mesmas de antes, e todos os pacientes avaliados devem ser considerados para diagnóstico diferencial de COVID-19. Logo, diante dos casos de abdome agudo, o cirurgião do aparelho digestivo deverá equilibrar o tratamento cirúrgico oportuno com a adequada proteção de toda a equipe médica. Portanto, se a infecção por COVID-19 não puder ser totalmente descartada nestes casos, o adequado nível de proteção ocupacional deverá ser adotado em todo o período de atendimento cirúrgico.

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva

Ozimo Gama (Maranhão)

 

Leitura recomendada

Covid-19 and the Digestive System, Wong H et al 2020 JHGH. doi: 10.1111/jgh.15047

Emergency Surgery in Suspected COVID-19 patients with Acute Abdomen, Gao Y et al Ann Surg. 2020, DOI:10.1097/SLA.0000000000003961