fbpx
 

Histórico – Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva

CBCD: 25 Anos Depois!

Bruno Zilberstein

Presidente do CBCD – Biênio 2015/2016

 

Em 1988, um punhado de idealistas, liderados pelo Prof. Dr. Henrique Walter Pinotti, então Titular da Cirurgia Digestiva da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, fundou uma entidade que hoje todos conhecemos e prestigiamos: o Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva – CBCD.

 

Assim, estes abnegados, cujas assinaturas podem ser vistas em ilustração do original desta ata (Figura 1), são ou foram comprometidos com o ensino da Cirurgia Geral e da Cirurgia Digestiva, em particular, em todo o Brasil. Pelo menos, no entanto, até suas aposentadorias/desligamentos das atividades professores universitários.

 

Precedendo esta ação, alguns anos antes, também o mesmo Prof. Pinotti tinha fundado, junto aos seus colaboradores, a primeira revista de Cirurgia do Aparelho Digestivo. Denominada, portanto, ABCD – Arquivos Brasileiros de Cirurgia Digestiva. Foram ações “singelas” aparentemente, mas que requereram enorme esforço, dedicação e investimento de todos aqueles que acreditaram.

 

Veja também:

 

 

Então, o que aconteceu? Para que tanto esforço? Quem se beneficiou, de fato?

 

Acho que os dirigentes atuais desta entidade têm por obrigação responder bem como justificar todas estas ações. Na verdade, e de fato, elas redundaram em prol da comunidade médica e dos pacientes, isto é, os verdadeiros beneficiados com estas ações.

 

A evolução, assim como o progresso, são situações inexoráveis. O mundo não anda para trás. Saudosismos à parte, a atualização nas ciências em geral, e na medicina em particular, avançam a galope sem olhar para trás, atropelando os que se atrasam. Nesse sentido, as faculdades de medicina já cumpriram o seu papel e, dificilmente, permitem a reciclagem e atualização de conhecimentos.

 

Quantas novidades em nossa área nestes 25 anos!

colegio brasileiro de cirurgia digestiva

(Figura 1)

Inovação no Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva

 

Endoscopia cirúrgica, videocirurgia, cirurgia oncológica, cirurgia robótica, novas diretrizes, novos procedimentos e o CBCD não se omitiu. Assim, criou eventos, cursos, programas de atualização e, com destaque, sua grande atividade integradora. Junto à Federação Brasileira de Gastroenterologia e a Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva criou a Semana Brasileira do Aparelho Digestivo. O evento conta com mais de 5.000 participantes e integra os conhecimentos nas diferentes áreas de concentração. Dessa forma, permite atualização permanente aos mais novos procedimentos, além do diálogo direto com os especialistas em cada área. Portanto, economiza tempo e oferece a possibilidade de aplicação prática dos conhecimentos auferidos.

 

Não foi só aí que o Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva atuou. Age, e continua agindo, no sentido de oferecer segurança ao profissional da especialidade no desempenho de sua função. Nesse sentido, além de outras ações, RECONHECEU A ESPECIALIDADE DE CIRURGIA DO APARELHO DIGESTIVO. Desse modo, permite aos que a praticam que seu desempenho seja livre e seguro. Além disso, como ações consequentes veio a RESIDÊNCIA MÉDICA EM CIRURGIA DO APARELHO DIGESTIVO. Possui mais de 20 serviços reconhecidos no Brasil, formando cerca de 100 especialistas anualmente.

 

Hoje, o Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva é responsável por elaborar as Normas da Residência em Cirurgia do Aparelho Digestivo no Brasil, adotadas pelo CFM e CNRM. Além disso, foi mais adiante: atuando junto à AMB – entidade maior que congrega as 57 especialidades médicas hoje reconhecidas no Brasil -, reconheceu o título de ESPECIALISTA EM CIRURGIA DIGESTIVA. Ainda que o indivíduo não tenha feito residência especializada, a prática clínica, no entanto, lhe permite prestar o exame de título. Dessa forma, poderá obter a certificação que lhes assegure o livre exercício profissional.

 

Dias de luta

 

A luta continuou. No sentido de oferecer aos profissionais condições seguras, elaborou os Manuais de Conduta para os procedimentos mais frequentes. Assim como o Termo de Consentimento, que permite maior segurança ao médico e ao paciente.

 

Foi além. Assim, junto ao CFM (Conselho Federal de Medicina), à AMB (Associação Médica Brasileira) e à CNRM (Comissão Nacional de Residência Medica) criou as Áreas de Atuação em Endoscopia Digestiva e Cirurgia Laparoscópica. Desse modo, permite a inclusão destas práticas, agora regulamentadas. Contudo, mais recentemente, em convênio com a SBCBM (Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica), homologou a área de atuação em Cirurgia Bariátrica. Nesse sentido há um respaldo dos profissionais que se interessam por estes procedimentos.

 

Ainda na área de atualização de conhecimentos, o CBCD se empenhou na criação de DIRETRIZES que pudessem nortear os profissionais na tomada de decisões em situações conflitantes. Dessa maneira, foram emitidas e publicadas, sempre no ABCD e no site do CBCD, as Diretrizes Sobre o Uso de Anticoagulantes. E, apoiando a ABCG (Associação Brasileira de Câncer Gástrico), as Diretrizes Sobre Câncer Gástrico.

 

Além disso, para facilitar a divulgação de conhecimentos, o Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva participa ativamente de mais duas outras revistas médicas. São elas: GED – Gastroenterologia e Endoscopia Digestiva e Arquivos de Gastroenterologia.

 

Com o intuito de lutar em benefício da comunidade médica em geral e dos cirurgiões do aparelho digestivo em particular, respondeu ao chamado da AMB. Assim, elaborou a tabela de referência de honorários médicos, a CBHPM, para todos os procedimentos da Cirurgia do Aparelho Digestivo em permanente atualização. Foi um trabalho contínuo de várias semanas, feito junto à Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE).

 

Em prol das organizações

 

O CBCD permanece nesta luta incessante em prol da defesa e, sobretudo, pelo respeito ao exercício profissional. Participa de todos os movimentos regionais e nacionais em defesa do livre exercício profissional. Assim como por melhores condições de trabalho e remuneração mais justa e condizente com a nossa profissão e especialidade.

 

Nesse sentido, os membros da sua Diretoria comparecem e participam das inúmeras reuniões, quer na AMB, quer no CFM. É sempre atuante e atenta na defesa dos interesses da especialidade bem como de seus profissionais.

 

Como especialidade e como órgão representativo, o CBCD foi além e deu respaldo às entidades associativas que não são especialidades. Entretanto, representam áreas de interesse dos cirurgiões do aparelho digestivo. Nesse sentido, o colégio abriu suas portas para a SOBRACIL (Sociedade Brasileira de Cirurgia Minimamente Invasiva e Robótica), SBCBM (Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica), ABCG (Associação Brasileira de Câncer Gástrico) e para o Clube do Pâncreas e Brazilian Branch of International Hepato-Pancreatic-Biliary Association. Esta atitude permite, do ponto de vista prático, que estas entidades atuem e colaborem tanto na divulgação de conhecimentos quanto junto aos órgãos representativos maiores como, por exemplo, AMB e CFM. Dessa forma, podem expôr seus pontos de vista e suas reivindicações.

 

Todavia, o CBCD não parou aqui e foi mais adiante. Participou do diálogo das novas áreas como, por exemplo, a Cirurgia Oncológica, caminhando em diálogo constante com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica para elaboração do Certificado de Qualificação em Cirurgia Oncológica. Tinha foco em todo cirurgião do aparelho digestivo que tenha o título de especialista.

 

O papel do CBCD

 

O papel do Colégio cresceu e para permitir maior integração e facilitar a comunicação bem como respeitar as diferenças regionais de nosso país, criou os Capítulos Regionais, que permitem trazer o Colégio mais perto de seus associados no sentido de melhor integração e troca de informações, bem como melhor atender às necessidades e particularidades de cada região.

 

Mais recentemente o CBCD, graças ao trabalho incansável de sua Diretoria e particularmente da Diretoria Científica, respectivamente os Professores Osvaldo Malafaia e Nelson Adami Andreollo, ex-presidentes do CBCD, conseguiu que sua revista ABCD, fosse indexada não somente no SCIELO mas também no MEDLINE/PUBMED e dentro de pouco tempo no PUBMED CENTRAL, permitindo desta forma que os trabalhos e estudos produzidos no Brasil tivessem visibilidade internacional com índice de impacto bom já divulgado pelo Scimago/Scopus.

 

É desta forma que o CBCD vem atuando ao longo dos anos, com suas Diretorias se sucedendo em processo democrático, com trabalho voluntário e desinteressado em prol de seus associados e da comunidade médica em geral.

 

Presidência

 

Nos últimos 25 anos, seus ex-presidentes foram respectivamente:

 

  • Biênio 1988/1990: Prof. Dr. Henrique Walter Pinotti, fundador e primeiro presidente (USP – São Paulo-SP);
  • Biênio 1991/1992: Prof. Dr. Luiz Sérgio Leonardi – (UNICAMP – Campinas-SP);
  • Biênio 1993/1994: Prof. Dr. Edmundo Machado Ferraz – (UFPE – Recife-PE);
  • Biênio 1995/1996: Prof. Dr. Luiz Rohde – (UFRS – Porto Alegre-RS);
  • Biênio 1997/1998: Prof. Dr. Alcino Lazaro Silva – (UFMG – Belo Horizonte-MG);
  • Biênio 1999/2000: Prof. Dr. Osvaldo Malafaia – (UFPr – Curitiba-PR);
  • Biênio 2001/2002: Prof. Dr. Joaquim José Gama-Rodrigues – (USP – São Paulo);
  • Biênio 2003/2004: Prof. Dr. Paulo Roberto Rocha Savassi – (UFMG – Belo Horizonte-MG);
  • Biênio 2005/2006: Prof. Dr. Julio Cesar Uilli Coelho – (UFPr – Curitiba-PR);
  • Biênio 2007/2008: Profa. Dra. Angelita Habr-Gama – (USP – São Paulo-SP);
  • Biênio 2009/2010: Prof. Dr. Nelson Adami Andreollo – (UNICAMP – Campinas-SP);
  • Biênio 2011/2012: Prof. Dr. Cleber Dario Pinto Kruel – (UFRS – Porto Alegre-RS);
  • Biênio 2013/2014: Prof. Dr. Ivan Cecconello – (USP – São Paulo-SP);
  • Biênio 2015/2016: Prof. Dr. Bruno Zilberstein – (USP – São Paulo-SP);
  • Biênio 2017/2018: Prof. Dr. Nicolau Gregori Czeczko – (UFPr – Curitiba-PR);

 

Porém, este trabalho que tanto esforço exigiu, jamais poderia ter sido realizado sem o apoio, incentivo, acreditação e confiança de seus associados que entendendo todo este enorme empenho, responderam ao chamado e vieram engrossar as fileiras de nossa entidade com sua ajuda e imprescindível participação.

 

Trabalho contínuo

 

O Colégio não parou e nem pode parar suas metas, seus objetivos, suas ações visando e buscando o respaldo cada vez maior aos seus associados e aos cirurgiões do aparelho digestivo em geral, promovendo e incentivado a divulgação de conhecimentos através da elaboração de DIRETRIZES, NORMAS, CONSENSOS e ORIENTAÇÕES e atuando na defesa dos interesses de nossa comunidade.

 

É desta forma que para continuar trabalhando é preciso ajuda de todos, cada um fazendo o seu papel, integrando-se na vida associativa e colaborando para que nosso exercício profissional seja digno e reconhecido em benefício de todos.

 

Nossos parabéns a todos pela dedicação em prol da Cirurgia do Aparelho Digestivo.